Como lidar com o endividamento empresarial? - Contabilidade em Joinville - Ação

Blog

23 de novembro de 2020


Como lidar com o endividamento empresarial?

As dívidas estão presentes em empreendimentos de todos os ramos e tamanhos, o problema começa quando elas excedem o limite do saudável. A partir do momento em que a empresa passa a operar para pagar dívidas e não para gerar lucro, o endividamento atinge níveis preocupantes que obrigam muitos estabelecimentos a fechar as portas. Gestores que se encontram em meio a uma crise financeira devem compreender a fundo a situação em que a empresa se encontra e os motivos que a levaram ao atual cenário, para então poder arquitetar soluções objetivas que tirem o negócio do vermelho.

ENDIVIDAMENTO SAUDÁVEL x ENDIVIDAMENTO NOCIVO

O termo endividamento faz referência às empresas que se sustentam por meio de empréstimos (geralmente ofertados por instituições financeiras) que, a médio ou longo prazo, fragilizam o capital de giro de maneira severa (graças aos juros abusivos ou pela falta de conhecimento sobre a real capacidade de pagamento da empresa).

O empréstimo costuma ser motivado pela necessidade de reduzir custos e aumentar a receita da empresa. Quando se atinge o aumento de receitas a ponto de compensar a dívida adquirida, o endividamento pode ser considerado sadio. Casos de retorno vantajoso sobre o investimento são majoritariamente amparados por um planejamento financeiro estratégico e realista e podem, de fato, fomentar o crescimento do negócio.

Quando o investimento não é compensado pela expansão da receita, a empresa entra em uma “bola de neve” para bancar tanto a operação (estrutura física, equipe, fornecedores, etc.) quanto o empréstimo adquirido (cujo valor final é acrescido de diversas taxas de juros e se torna muito maior do que o montante recebido para desafogar o capital de giro). Ao entrar neste ciclo, uma gestão financeira assertiva e pé no chão se faz necessária para escapar de desfechos catastróficos que comprometem o patrimônio da empresa.

CAUSAS COMUNS DO ENDIVIDAMENTO EMPRESARIAL

De forma geral, o endividamento deixa o nível saudável e passa a comprometer a viabilidade da operação por falta de conhecimento sobre os reais números do negócio (mesmo entre gestores dedicados e experientes). Esta visão nebulosa sobre a realidade financeira da empresa tem causas diversas e muito comuns, como a negligência com o fluxo de caixa, má gestão do estoque, uso indevido de insumos, cálculo inadequado da margem de lucro, fusão entre finanças de pessoa física e jurídica, desconhecimento sobre os custos de produção, compras desnecessárias, alto nível de inadimplência (por vendas fiadas ou pagamentos em cheque), não definição do pró-labore dos sócios, falta de análises financeiras periódicas e outras sequências de más decisões e problemas de gestão internos.

COMO REDUZIR O ENDIVIDAMENTO EMPRESARIAL

  • RASTREAMENTO DAS CAUSAS

O primeiro passo para gerenciar uma situação de endividamento é identificar a(s) fonte(s) do problema. As causas acima citadas são frequentes e podem estar presentes no seu negócio. Faça uma auditoria completa de todos os setores da empresa, registre uma lista com todas as dívidas em aberto, escreva uma relação de todos os credores, fornecedores, instituições financeiras e demais envolvidos com as dívidas do empreendimento. Depois de estabelecer um panorama realista sobre as contas a quitar, você conseguirá avançar aos próximos passos para redução do endividamento empresarial.

  • RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

Em casos de acúmulo de dívidas, a renegociação é o principal artifício do gestor. Ao invés de cair na armadilha de pegar empréstimos com juros ainda mais altos para quitar o que já está acumulado, experimente conversar com os credores. Parcelamentos de dívida, extensão dos prazos de pagamento e outros acordos financeiros específicos para cada tipo de relação comercial são algumas das opções. Lembre-se que chegar a um acordo é favorável para ambos os lados, tanto para quem precisa pagar (e não tem como no momento) quanto para quem precisa receber (e teme pela inadimplência).

  • PLANO DE REDUÇÃO DE CUSTOS

Aqui se inicia a resolução dos problemas de gestão interna. A economia em determinados setores da empresa leva ao redirecionamento da verba para quitar dívidas pendentes. É hora de rastrear e eliminar os gastos desnecessários – e são muitos os ajustes possíveis antes de partir para a redução da equipe ou para a queda da qualidade do produto/serviço oferecido. Otimizar a gestão do estoque, priorizar compras à vista quando possibilitar desconto, controlar perdas e desperdício de insumos, restringir vendas fiadas ou em cheque para conter a inadimplência, identificar gastos excessivos com luz, água, copos ou materiais de papelaria… Estas são algumas mudanças simples que efetivamente ajudarão a tirar a empresa do vermelho.

  • CONTROLE FINANCEIRO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Para que a situação não se agrave e ameace a existência da empresa, é de extrema importância que se estabeleça um controle financeiro regrado e eficiente, capaz de oferecer informações sólidas para a criação de um planejamento estratégico que norteie os futuros investimentos. Para isso, é necessário o acompanhamento diário do fluxo de caixa, análises periódicas sobre o capital de giro e uma boa consultoria contábil para gerenciar os processos fiscais e financeiros com embasamento profissional.

Se a sua empresa precisa traçar estratégias para contenção de dívidas e recuperação da lucratividade, a Ação Contabilidade tem a solução! Contamos com profissionais experientes na gestão financeira, tributária e contábil de pequenos e médios empreendimentos e agora somos uma contabilidade digital, com toda a tecnologia necessária para lhe oferecer um atendimento mais rápido, personalizado, seguro e atualizado. Conheça nossos serviços e deixe a saúde financeira do seu negócio em boas mãos. 

Deixe seu comentário

JUNTOS PODEMOS IR
MAIS LONGE!
FALE CONOSCO.

+55 (47) 3028-0201